Jornalismo enlatado: o que devemos consumir?

Artigo publicado em 10/01/17 – Cruzeiro do Sul

A padronização e a influência das produções midiáticas são temas que levantam discussões acaloradas desde o início do século passado. Muitas produções apresentam fórmulas simplificadas, que oferecem um desfecho já previsto pelo público. Esse padrão ocorre porque as grandes corporações sabem que seguir modelos facilmente aceitáveis produz rentabilidade. Isso significa que, quanto mais se trabalha em cima de padrões, maior a chance de agradar ao público, ou seja, de atrair ou manter a audiência.

Audiência. Esse é o segredo! A grande mídia, obviamente, precisa de lucro para sobreviver; verba que advém, em grande parte, dos anúncios publicitários ou de propagandas que procuram os veículos ou programas que têm maior público. E como cultivar o público?
Se a intenção do veículo é garantir audiência, o segredo está em abordar temas que sejam comuns para a maioria, independentemente de classe ou grupo social, raça, etnia, gênero e idade. Sendo assim, Edgar Morin lembra que os temas mais manjados são aqueles que envolvem relacionamentos amorosos e violência, situações genéricas em que boa parte do público consegue se identificar. Ocorre que fica simples de entender quando pensamos em entretenimentos que se resumem em mocinho-vilão-mocinha, ação-reação, causa-efeito, problema-solução, tensão-alívio. Todavia, quando partimos para as produções jornalísticas, acreditamos estar diante de verdades e sem intenções comerciais.

Assim como o entretenimento, boa parte do jornalismo dominante apresenta-se como produto de fácil consumo para a maioria. Ao referir-se à televisão, Bourdieu esclarece que os fatos-ônibus, ou seja, as variedades dos noticiários, apresentam conteúdos genéricos e padronizados para garantir a audiência e o lucro. Logo, esse formato contribui para ocultar o que seria de maior relevância social para o público, já que os profissionais, além de serem pressionados para produzir o genérico, são também pressionados pelos políticos para fomentar ou abafar escândalos. Isso sem contar os veículos que, como empresas, possuem em seus produtos apenas as suas próprias intenções.

Outro ponto importante a ser tocado é que enganam-se aqueles que acreditam que este ou aquele veículo é imparcial. Todos os produtos carregam um ou vários olhares que podem ser iguais — ou não — sobre um fato. Das técnicas de filmagem e edição à escolha das fontes para dar credibilidade à informação, pode haver muito significado. O destaque de uma matéria, o pequeno recorte dado a outra, o sorrisinho irônico do jornalista ao final da apresentação, enfim, uma infinidade de possibilidades que podem influenciar a opinião pública e que determinam que assuntos devem ser considerados no lugar de outros. E essas situações já foram bastante refletidas à luz das teorias da comunicação. Lembrando que muitos estudos desenvolvidos no século passado não estavam preocupados em desvendar os truques da mídia, mas desenvolvê-los ainda mais para utilizar a opinião pública para favorecer os interesses daqueles que tinham mais força.

Em suma, deixar de ler ou assistir a este ou àquele produto só contribui para que o receptor feche ainda mais suas ideias. O ideal é buscarmos informações em diferentes veículos e, com preferência, naqueles que apresentam contrapontos. A leitura de outros que são extremos também colabora para o exercício da reflexão. Fora isso, temos hoje a possibilidade de acompanharmos produções locais, regionais, internacionais e independentes. O segredo está em não deixar de consumir os enlatados, mas acompanhar com atenção e desconfiança.

Link para página: http://www.jornalcruzeiro.com.br/materia/756748/jornalismo-enlatado-o-que-devemos-consumir

Posted on 10 de Janeiro de 2017, in Sem categoria, Textos em jornal. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: